Área de Especialidade | Adultos

Feridas Crónicas

Feridas crónicas são feridas cujo processo de cicatrização é lento, não se verificando progressos significativos no processo de cicatrização durante 30 dias. Úlcera por pressão, úlcera de perna e pé diabético são alguns exemplos de feridas crónicas.1-3

A malnutrição e o desenvolvimento de feridas crónicas são condições que estão frequentemente associadas. Uma ingestão alimentar inadequada aumenta o risco de desenvolvimento de feridas, com um grande potencial para evoluírem para feridas crónicas, uma vez que a função imune, a síntese de colagénio e a resistência da ferida à tensão encontram-se alteradas. Este risco é particularmente elevado na população mais envelhecida.17,42

A nutrição desempenha assim um papel importante no processo de gestão nutricional de feridas crónicas, sendo importante garantir um aporte adequado de energia e proteica, bem como de nutrientes específicos, que são importantes para o processo de cicatrização, tais como a arginina, vitaminas A, C e E, zinco, ferro e selénio.6

Atingir as necessidades nutricionais através da ingestão alimentar habitual pode ser um desafio, uma vez que estas se encontram aumentadas. O recurso a suplementação específica hiperproteica e hipercalórica, especialmente formulada com arginina, vitaminas A, C e E, zinco, ferro e selénio, contribui para a gestão nutricional das feridas crónicas. A mesma deve ser tomada sob supervisão de um profissional de saúde.

1. Layer A. et al. Pharmacoecon Open. 2019;May 27.
2. Hunt, DL. BMJ Clin Evid. 2011;08(602):1-44.
3. EPUAP, NPIAP, PPPIA. Prevention and Treatment of Pressure 1. 4. Ulcers/Injuries: Clinical Practice Guidelines 2019.
4. Haughey L, et al. The international journal of lower extremity wounds. 2017;16(4):238-43.
5. Quain AM, et al. Wounds: a compendium of clinical research and practice. 2015;27(12):327-35.
6. Munoz N, et al. Adv Skin Wound Care. 2020;33:123–36.
7. Cereda E, et al. Ann Intern Med. 2015;162:167-174.
8. Cereda E, et al. Clin Nutr. 2017;36:246-252.