Área de Especialidade | Adultos | Oncologia

Importância da Alimentação

Malnutrição do doente oncológico

Sabia que 1 EM CADA 3 DOENTES oncológicos sofrem de malnutrição?

A nutrição é um aspeto fulcral a ter em conta na gestão da doença oncológica, dado que as necessidades nutricionais diárias estão aumentadas nestes doentes. A malnutrição é frequente no doente oncológico1,2 e pode ter impacto no resultado dos tratamentos.3,4

O que é a Malnutrição no doente oncológico?

Quando a ingestão alimentar não é suficiente para cobrir as necessidades nutricionais, aumenta o risco de malnutrição, que se reflete na perda de peso de forma involuntária e, principalmente, na perda de massa muscular.5  A malnutrição tem um impacto negativo no doente oncológico, diminuindo a resposta ao tratamento e aumentando o risco de complicações.6-9

Consequências da perda de peso no doente oncológico.10,11

O défice de ingestão alimentar pode estar relacionada com os sintomas associados aos tratamentos: dor, dificuldade a engolir, náuseas e vómitos, falta de apetite, cansaço, boca seca, alterações do paladar e diarreia.12,13 Todos estes sintomas podem levar a uma perda de peso.

Perda de força muscular14

Diminuição da qualidade de vida15,16

Aumento do tempo de internamento17

Interrupção dos tratamentos18

Diminuição das defesas imunitárias19

Consequências da perda de peso no doente oncológico.10,11

O défice de ingestão alimentar pode estar relacionada com os sintomas associados aos tratamentos: dor, dificuldade a engolir, náuseas e vómitos, falta de apetite, cansaço, boca seca, alterações do paladar e diarreia.12,13 Todos estes sintomas podem levar a uma perda de peso.

Perda deforça muscular14

Diminuição daqualidade de vida15,16

Aumento do tempo de internamento17

Interrupção dos tratamentos18

Diminuição das defesas imunitárias19

Bom estado nutricional

Melhora o peso corporal e a massa muscular20

Melhora a tolerância e a resposta aos tratamentos oncológicos21

Melhora a qualidade de vida.22

Bom estado nutricional

Melhora o peso corporal e a massa muscular20

Melhora a tolerância e a resposta aos tratamentos oncológicos21

Melhora a qualidade de vida.22

Descubra mais

Importância da Alimentação

Suplementação Nutricional Oral

Mitos na Alimentação

Sintomas Frequentes

Receitas

Guia

1. Laviano & Meguid, Nutrition. 1996 May; 12(5):358-71
2. Davies M. Eur J Oncol Nurse. 2006; 9:S64 – S73
3. Baracos VE, Eur J Clin Nutr. 2018; 72: 1255-1259
4. Heburterne X et al, JPEN J ParenterEnteral Nutr. 2014;38:196-204\
5. Caro M, et al. Clin Nutr. 2007;26(3):289-301.
6. Martin L, et al. J Clin Oncol. 2015;33(1):90.
7. Prado CM, et al. Proc Nutr Soc. 2016;75(2):188-98.
8. Burden ST, et al. J Cachexia, Sarcopenia and Muscle. 2017.
9. Fokuda et al. Ann Surg Oncol. 2015;22:S77-85.
10.Laviano & Meguid, Nutrition. 1996 May; 12(5):358-71.
11.Davies M. Eur J Oncol Nurse. 2005; 9: S64 – S73.

12. Laviano & Meguid, Nutrition. 1996 May; 12(5):358-71.
13.Baldwin et al, J Natl Cancer Inst. 2012, 104(5):371-385.
14. Baldwin et al, J Natl Cancer Inst. 2012, 104(5):371-385.
15. Pressoir M et al., Br J Cancer. 2010; 102: 966-971.
16. Maasberg et al., Neuroendocrinology. 2017; 104:11-25.
17. Melchior et al., Clin Nutr. 2012; 6:896-902.
18. Ross PJ, et al. Br J Cancer. 2004; 90(10): 1905-1911.
19. Fokuda et al. Ann Surg Oncol. 2015; 22 S77-85.
20. Paccagnella A, et al. Supportive Care in Cancer. 2010;18(7):837-45.
21. Manfredelli S, et al. Annals of Surgical Oncology. 2017;24(11):3324-30.
22. Blackwood HA, et al. Supportive Care in Cancer. 2020;28(4):1877-89.

1. Laviano & Meguid, Nutrition. 1996 May; 12(5):358-71
2. Davies M. Eur J Oncol Nurse. 2006; 9:S64 – S73
3. Baracos VE, Eur J Clin Nutr. 2018; 72: 1255-1259
4. Heburterne X et al, JPEN J ParenterEnteral Nutr. 2014;38:196-204\
5. Caro M, et al. Clin Nutr. 2007;26(3):289-301.
6. Martin L, et al. J Clin Oncol. 2015;33(1):90.
7. Prado CM, et al. Proc Nutr Soc. 2016;75(2):188-98.
8. Burden ST, et al. J Cachexia, Sarcopenia and Muscle. 2017.
9. Fokuda et al. Ann Surg Oncol. 2015;22:S77-85.
10.Laviano & Meguid, Nutrition. 1996 May; 12(5):358-71.
11.Davies M. Eur J Oncol Nurse. 2005; 9: S64 – S73.
12. Laviano & Meguid, Nutrition. 1996 May; 12(5):358-71.
13.Baldwin et al, J Natl Cancer Inst. 2012, 104(5):371-385.
14. Baldwin et al, J Natl Cancer Inst. 2012, 104(5):371-385.
15. Pressoir M et al., Br J Cancer. 2010; 102: 966-971.
16. Maasberg et al., Neuroendocrinology. 2017; 104:11-25.
17. Melchior et al., Clin Nutr. 2012; 6:896-902.
18. Ross PJ, et al. Br J Cancer. 2004; 90(10): 1905-1911.
19. Fokuda et al. Ann Surg Oncol. 2015; 22 S77-85.
20. Paccagnella A, et al. Supportive Care in Cancer. 2010;18(7):837-45.
21. Manfredelli S, et al. Annals of Surgical Oncology. 2017;24(11):3324-30.
22. Blackwood HA, et al. Supportive Care in Cancer. 2020;28(4):1877-89.

Esclarecemos as suas dúvidas

Entre em contacto com os nossos especialistas para aconselhamento na toma e composição dos nossos produtos ou para falar com um representante Nutricia da sua zona. Estamos disponíveis todos os dias da semana, das 9h às 22h.